ETERNAMENTE, SARAMAGO

SAUDADE

.

Quando Gandhi foi assassinado por um fanático nos anos 40, o filósofo francês Jean-Paul Sartre disse dele: “no futuro ninguém acreditará que um homem como Gandhi existiu”. Por razões óbvias, as gerações futuras duvidarão que um homem como José Saramago viveu depois de Gandhi. Um e outro, Gandhi e Saramago, foram ardorosos humanistas. Ambos empunharam as únicas armas que conheciam, a palavra, para conquistar os sonhos de um mundo justo, decente, sem fanatismo, compromissado com causas verdadeiramente dignas de se engajarem. Defenderam, quando parecia indefensável, a causa dos menos favorecidos. Pregaram, sem nenhum proselitismo, a igualdade e a tolerância, em meio ao mais profundo caos. Viveram com o único propósito de esclarecer aos homens que aquilo que lhes aprisionavam eram eles mesmos. Livres de toda ignorância, política, religiosa, social, escolar, herdada ou forçada, todos os homens poderiam refazer os seus caminhos. Creio que como Gandhi, José Saramago, assegurou enquanto estava vivo o seu nome na imortalidade.  

JOSÉ SARAMAGO (1922-2010)

foto tirada no FSM 2005



Soube a pouco da morte do mestre das letras portuguesa José Saramago. Imediatamente senti-me só, desamparado e extremamente entristecido, como só alguém que tivesse rompido abruptamente os laços com um ente muito amado, soubesse o que se passa.

E todos nós aprendemos amar Saramago, justamente, pelas qualidades e pela coragem de se indignar, furiosamente, contra toda e qualquer vilania, que oprime, insistentemente, os homens, destituindo-os de todas as forças vitais que o protegem.

Filho de pais e avós analfabetos, criadores de porcos, Saramago soube como poucos transformar a voz dos desfavorecidos em sua própria voz. Uma voz poderosa, respeitada, e temida pelos distintos senhores da política e da religião.

Um ente incomum, capaz das maiores e heróicas ações para defender, não só a si, alvo constante das chacotas dos insensíveis, mas também, e com igual empenho, toda e qualquer pessoa, das injustiças que grassam no mundo.

Saramago soube, desde cedo, que somente uma política civilizada, fraterna; seria capaz de rivalizar contra a tirânica força dos gananciosos, espoliadores e facínoras que insistem em tornarem o mundo um lugar cada vez mais perigoso para se viver, desse modo, engajou-se em todas as lutas por um mundo menos arbitrário, em que coubessem todos sem distinção, sem diferenças.

Seremos eternamente gratos a ele por seu exemplo, por nos dar esperança, por nos fazer acreditar, a revelia de todas as certezas, que ainda existe no homem uma força superior a de sua natureza menos nobre. Com ele aprendemos a valorizar o mundo, a enxergá-lo melhor, a lutar por justiça, a duvidar das certezas e fazer delas uma força revitalizadora em todos os momentos.

Fica agora um vazio, e a certeza de que o mundo passou, desde esse momento, em que ficamos privados de sua voz, assustadoramente inseguro, solitário e muito mais burro.

...E ASSIM SE PASSARAM DOIS ANOS


Sobre a vida sergipana; vantagens e desvantagens


___________________________
O texto a seguir foi escrito por Teo

Amigos, há dois anos, precisamente no dia 7 de junho de 2008, um sábado (me lembro como hoje) me jogaram na R. Riachuelo (esq. com Itabaiana), bairro São José, classe média - e “seja o que Deus quiser”. Estava recém-formado e como é de vosso conhecimento, eu não tinha rigorosamente nada a perder. Supunha, com muita razão, que a estupidez e a boçalidade dos sergipanos seriam um pouquinho mais toleráveis do que a mesquinhez de Caetité. Saí, por conta própria, da zona de conforto em que me encontrava, para penar nessa oca global (me perdoem a expressão) que se chama Aracaju.

Muito bem: aqui estou. Pesando os prós e os contras, creio que tenha valido muito a pena ter feito essa grande aventura que, aliás, eu recomendo. Sou um mochileiro, gosto de me arriscar. Quem não largar tudo pra sair de casa, por medo, para mim é um fraco. Muita gente fala maravilhosamente bem de Caetité, mas se lhe fosse dada a oportunidade de sair de lá, não ficaria viva alma para contar a história. Não gosto de Caetité. Não vou mentir para vocês. Gosto das pessoas que lá residem, minha família, meus amigos, mas não gosto da cidade. Subir os degraus da República Coliseu e pegar fila com Rogério no supermercado era das coisas mais agradáveis que se podia fazer na cidade.

Na véspera de minha viagem, lembro-me de que Rogério me presenteou com Vestido de Noiva, a obra-prima rodriguiana e falamos um pouco desse místico Severino do Aracaju, do Auto da Compadecida. (Marco Nanini, na versão para o cinema). À noite, com as malas prontas, saí para comer pastel com Juliana e Eliana, minhas colegas. Rastros de poeira ficaram para traz.

Aqui, tive acesso a muitas coisas das quais necessito para sobreviver: dinheiro (óbvio), porque ninguém é obrigado a sofrer, livros, peças etc. Em Caetité, com toda a ruindade, descobri muita coisa interessante, acervos valiosíssimos. Em Sergipe também vim a descobrir novos autores, novas peças, assisti a muitos espetáculos (minha paixão), a maioria de bom nível. Li, por falar nisso, no domingo último, Um Bonde Chamado Desejo e encantei-me com a personalidade dúbia da personagem Blanche Dubois, irmã de Stella. Um texto fascinante de Tennessee, americano. (Uma Rua Chamada Pecado foi o título do filme baseado nesta peça, se não me engano. Rogério poderia confirmar), com Marlon Brando como Stanley. E assim vamos tocando a vida.

Diz Fiódor Dostoiévski que “o imbecil do homem se habitua a tudo”. Exatamente, amigos. Exatamente! Estou já acostumado à estupidez de Sergipe há muito tempo, tanto que nada aqui mais me impressiona. Educação, aqui, é artigo de luxo. Podem acreditar!

Todavia, o conhecimento, a cultura, as bibliotecas que o estado pode me proporcionar devem me levar a algum lugar, espero. Só não sei exatamente aonde. A São Paulo? A Madri?

Dois anos de ausência, voltando à terra natal em duas ocasiões, apenas. Nem sei se é motivo para comemoração.

Até breve!